sexta-feira, 25 de maio de 2007

Despertador é bom para a gente se virar para o outro lado e dormir de novo *


Tenho um problema sério pra acordar na hora. Que se agrava devido a uma outra dificuldade que me acompanha desde pequena: não consigo dormir cedo. Na verdade, nem tento mais.

Quando era criança, tinha a famigerada “hora de dormir”. E lá ia eu pra cama sem um pingo de sono. Deitava e ficava rolando de um lado pro outro, cada vez mais agoniada e com menos sono. Acho que é por isso que hoje em dia eu só vou deitar quando não consigo mais manter os olhos abertos – o que só acontece lá pras duas, três horas da madrugada.

A questão é que eu tenho que estar de pé às oito. E preciso de, no mínimo, oito horas de sono por noite para estar lépida e fagueira no dia seguinte. O que nunca acontece, já que oito menos três igual a cinco. Resultado: não consigo acordar na hora. E na sexta-feira estou reduzida a um farrapo, um zumbi, um molambo.

Na adolescência descobri uma solução confortável para o sono sem fim. Levava sempre um casaco dentro da mochila que assim, recheada, virava um travesseiro. Dormi durante incontáveis aulas de química (que nunca me fizeram falta; já o sono...). Só que agora não dá mais pra usar a estratégia da mochila-travesseiro. No colégio, éramos cem alunos na turma. No meu trabalho, somos dez na sala. Não ia ficar nem bem.

A hora de acordar também é muito mais difícil agora. Na época da escola, tinha a minha mãe pra ficar me chamando de cinco em cinco minutos até eu levantar. Agora eu conto com quatro despertadores. Isso mesmo: QUATRO. É que eu acostumo com o jeito de desligar as pestes. Quando isso acontece, já era: desligo dormindo. Aí é hora de comprar um novo. E eu odeio gastar dinheiro com isso! Acho que deviam distribuir despertadores de graça (e guarda-chuvas também, mas isso não vem ao caso agora).

A tática é a seguinte: três despertadores ficam na cabeceira. O primeiro começa a tocar trinta minutos antes da hora em que eu preciso acordar. A partir daí, a cada cinco minutos alguma campainha invade os meus sonhos. Engraçado como o melhor sono, com sonhos lindos, é justamente o dessa hora. Até que toca o despertador que fica no banheiro da suíte (estrategicamente colocado lá, assim eu tenho que sair da cama pra desligar), programado para o último minuto em que ainda é possível acordar, tomar uma ducha rápida, vestir a primeira roupa que eu achar no armário, sair correndo e chegar no trabalho só dez minutos atrasada.

Mas – eu sempre me surpreendo comigo mesma – ultimamente tem acontecido cada vez com mais freqüência de eu me levantar, desligar o despertador do banheiro, voltar pra cama e dormir de novo. E, quando eu acordo, não me lembro de ter feito isso! E agora?

*A frase do título é do Mario Quintana, que compartilhava comigo o ódio pelos despertadores. Também é dele “O despertador é um acidente de tráfego de sono”. E o poema do qual reproduzo um trecho a seguir. Bravo, Quintana!

O Tempo
O despertador é um objeto abjeto.
Nele mora o tempo.
O Tempo não pode viver sem nós,
para não parar.
E todas as manhãs
nos chama freneticamente
como um velho paralítico
a tocar a campainha atroz (...)

7 comentários:

Flávia disse...

Putz Nana. Te entendo nesse negócio de dormir 8 horas... eu também sou assim! São 8 durante a noite e 1 durante o dia. Não produzo se não for assim. Por isso que aqueles esquemas doidos do pessoal ficar estudando até tarde, não era pra mim.
Eu durmo antes da meia-noite, o que já ajuda muito e para acordar na hora, meu quarto não tem cortina. Aí acordo na hora certa, com o sol. Sim, os dias de chuva são foda! Estragam todo o esquema.
Beijos

Catarina Chagas disse...

Já fiz uma matéria sobre a solução para os seus problemas: http://cienciahoje.uol.com.br/3363

Nana disse...

Flavinha,
Não consigo dormir antes da meia noite nunquinha. E, se quatro despertadores não conseguem me acordar, luz então não faz nem cosquinha no meu sono...

Cata,
Mas eu não sei onde eu compro esse despertador!

Tati disse...

que ritual sádico, rsrsrs
eu detesto tanto o som de qualquer despertador que acordo um minuto antes deele tocar. Quantro de uma só vez seria acordar no limbo, hahaha
Adorei o espaço, virei sempre!

Nana disse...

Tati,
Eu acordo no limbo!
Que bom, fico feliz que você tenha gostado. Venha sempre, é muito bem-vinda!

Daniel Amaral disse...

Oi Nana, se te contar que eu já estou até procurando pscanalista!! Isso não é normal, eu também tenho 4 despertadores!..hahahah É 1 rádio-relógio despertando com som no talo, 30 minutos antes da hora de acordar também..rs 1 despertador de sino, aquele que bate um martelinho de um lado para o outro. E mais 2 celulares, programados estrategicamente a cada X minutos... e NADA de eu acordar!..rs Desligo todos e volto a deitar, na maioria das vezes também não lembro! Se tiver algumaa notícia me responda por email hein.. vou continuar pesquisando o que é isso..rs Bjs.

Daniel Amaral disse...

xxdaniel@gmail.com